Ser Fitness é com Ele - Glúten: sim ou não?

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Olá a todas as leitoras deste super blog J

   Como anda a correr o desafio mensal da prancha? J

   Resolvi escrever sobre este tema, que se tem apresentado como polémico por vezes, abordando os mais recentes estudos científicos sobre o assunto, em virtude de esta nova moda que defende que os produtos “gluten free” são os melhores, os mais saudáveis e os mais fit.

   Espero que ninguém fique melindrado ou aborrecido, baseio-me apenas em estudos científicos e nos conhecimentos mais elementares.



   Vamos então às principais questões:

1-      De onde surgiu a teoria de glúten ser inflamatório e prejudicial à nossa saúde?
   As pessoas portadoras de doença celíaca têm uma hipersensibilidade ao glúten, que pode ser resultado de uma alergia ou de intolerância ao glúten. Nestas pessoas o glúten provoca danos na mucosa do intestino delgado, impedindo uma digestão normal.
   Após eliminar o glúten da dieta, o intestino volta a funcionar com normalidade (após algumas semanas ou meses). Ao longo do tempo, aqueles que são intolerantes ao glúten e que ingerem de uma forma consistente alimentos com glúten, podem desenvolver vários problemas de saúde tais como, dermatite, dor nas articulações, problemas reprodutivos, refluxo ácido, e muito mais.
   Foi a partir ​daqui que se generalizou o conceito, de que o glúten é inflamatório. Mas se o glúten é inflamatório para celíacos, também tem de ser para não celíacos? Já vamos ver isso...
2-      Glúten é mesmo prejudicial à saúde? Para todos?
   As pessoas intolerantes a camarão devem evitar a sua ingestão, mas isto não quer dizer que todas as outras pessoas também o tenham que fazer. Como o camarão, existem também os amendoins, glúten, leite, etc…. O facto de haver pessoas intolerantes a determinados alimentos não significa que esses alimentos são prejudiciais para a saúde da população em geral.
   Não existe nenhum estudo científico que tenha concluído que a dieta sem glúten tem quaisquer vantagens significativas na população em geral.
   Pelo contrário, vários estudos concluíram que alimentos com glúten, tal como trigo, centeio e cevada protegem contra o cancro, doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade. São ricos em nutrientes e fitoquímicos. Têm altas concentrações de fibras alimentares, são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais.
   Num estudo recente concluiu-se que uma dieta “Gluten Free” é má para as nossas “boas bactérias” do sistema gastrointestinal, tornando o nosso sistema imunitário mais fraco. Ingerir alimentos com glúten aumenta a capacidade do nosso corpo para combater infeções virais e doenças como o cancro.
3-      Mas porque é que fico menos inchado quando como alimentos sem glúten?
   Existe uma falsa suposição de que o inchaço provocado é um efeito inflamatório do glúten e que eliminar o seu consumo vai fazer com que fiquemos mais saudáveis. Isso não poderia estar mais longe da verdade.
   Várias pessoas afirmam que quando removeram o glúten da sua alimentação sentiram uma redução significativa no inchaço e também uma perda de peso. Embora isso possa ser verdade para aqueles que são intolerantes ou sensíveis ao glúten, não há nenhuma evidência de que quem não sofra de doença celíaca ou tenha sensibilidade ao glúten sinta quaisquer benefícios em cortar no glúten.
   Muitas vezes o inchaço diminui com a remoção de glúten da dieta porque isso inclui a remoção de amidos na dieta (alimentos com glúten contêm amido). Os alimentos com amido contêm bastante fibra. Ora, a fibra atrai água para a digestão e isso causa inchaço.
   Ou seja, ao remover os alimentos com amido (sobretudo farináceos), a sensação de inchaço diminui.J
4-      A dieta sem glúten é mais saudável que a dieta com glúten?
   Um estudo de 2014 comparou mais de 200 produtos “gluten free” com os mesmos produtos com glúten e encontraram-se grandes diferenças nutricionais entre eles. Por exemplo, o pão “gluten free” tem menos ⅓ da proteína e o dobro da gordura (sobretudo saturada) quando comparado com a versão com glúten.
   Outro alimento muito comum, que também foi analisado, foi o esparguete. O esparguete versão “gluten free” contém menos proteína, mais gordura, menos fibra e mais sódio.
   Descobriu-se também que as pessoas que seguem uma dieta sem glúten consomem menos proteína, mais gordura saturada e menos fibra. O consumo frequente de gordura saturada aumenta o risco de sofrer de doenças cardiovasculares.
   Esta conclusão vem confirmar os resultados de um estudo anterior, que diz que uma pessoa que esteja numa dieta sem glúten num prazo superior a 12 meses, sofre de carências de várias vitaminas e minerais.
5-      Dieta sem glúten será o melhor para mim?
   A menos que sofras de doença celíaca ou sejas sensível ao glúten, cortar a ingestão de alimentos com glúten, só vai ser prejudicial para a tua saúde. Até mesmo por questões de composição corporal, não existe qualquer vantagem em retirar os produtos com glúten. A generalidade dos melhores atletas que conheço (e até a nível mundial) alimentam-se e consomem alimentos que têm glúten e não é por isso que deixam de ter excelentes resultados.
6-      De onde veio então esta moda e porquê tanto alarido com os produtos “gluten free”?
   Admito que é estranho e ambíguo, ouvir-se falar tanto nos produtos “gluten free” como o caminho alimentar mais saudável e correto, e agora vem-se aqui dizer exatamente o contrário. J
   Num estudo feito na Universidade de Virgínia, concluiu-se, por exemplo, que as campanhas e boatos para evitar alimentos com glúten passam por grandes interesses comerciais.
   Os alimentos “ Sem Glúten ” parecem ter ultrapassado em termos comerciais, os alimentos “Sem Gordura” e os alimentos “Baixo em hidratos” como modas alimentares nos negócios de supermercado.
   Já em 2012 o mercado estimado nos EUA, para os alimentos sem glúten, era superior a 2,5 mil milhões dólares e é esperado que ultrapasse os 5 mil milhões em 2017.
   A revista Time nomeou a dieta sem glúten como a segunda dieta mais popular do ano de 2012.

Espero que tenha sido útil boa alimentação, bons treinos e até para a semana.

Um grande beijinho a todas.



11 comentários:

  1. Eu dei isso no curso que tirei mas já não me lembrava de algumas coisas
    estamos sempre a aprender
    Beijinhos
    CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. Post muito informativo!!!
    beijinhos
    https://direitoporlinhastortas-id.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Muito bom esse post, eu tinha mudado minha alimentação, agora voltei a comer porcarias ): beijos
    www.blogbelezamake.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O conceito de porcarias é sempre vago e abstrato :)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Excellent post, I follow you :)
    Visit my blog if you want ♥

    Jana Lukic

    ResponderEliminar
  5. Adorei este post! Toda hora vejo alguém incriminando o glúten, sendo que ele somente é prejudicial à pessoas com intolerância à ele. E todo o resto já aproveita para tirá-lo da dieta. O que acontece é exatamente isso que falou, as pessoas o associam ao emagrecimento, mas evitando o glúten evitam também outros alimentos muito calóricos, como pães, massas e bolos, e obviamente, se privando deles, vão emagrecer.


    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem havido uma interpretação talvez errada do gluten e dos seus efeitos, ainda bem que gostaste :)
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Realmente é comum fazermos essa falsa associação a gluten free/ser mais saudável. Post muito informativo!
    Beijinhos, The Fancy Cats

    ResponderEliminar